72 Horas Para Morrer | Ricardo Ragazzo - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
maio 29, 2013 Falando de Resenhas

72 Horas Para Morrer | Ricardo Ragazzo


Resenha 72 Horas Para Morrer

Título: 72 Horas Para Morrer
Autor: Ricardo Ragazzo
Editora: Novo Século
Skoob: Adicione!
Compre o livro: SARAIVA | SUBMARINO | CULTURA
Classificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Pior do que conhecer um Serial Killer, é um Serial Killer conhecer você! “O Carro pertence à sua namorada.” Com essas palavras, Júlio Fontana, delegado da pacata cidade de Novo Salto, tem a vida transformada em um inferno. Pessoas próximas começam a ser brutalmente assassinadas, como parte de uma fria e sórdida vingança contra ele. Agora, Júlio terá que descobrir a identidade do responsável por esses crimes bárbaros, antes que sua única filha se torne o próximo nome riscado da lista. 72 Horas para Morrer é uma corrida frenética contra o tempo, que prenderá o leitor do início ao fim.

Júlio Fontana é um homem que vive assombrado e amargurado por tudo o que passara no passado. Traído pela esposa e marcado pela culpa de sua morte e tratado por Laura, sua filha, de uma forma que nenhum pai deveria ser tratado, acaba se deparando com as boas novas que Paulo, padre e seu amigo de infância, trouxera: Miguel, o homem que mais odiava por ter cometido um crime hediondo, estava solto e voltaria para sua cidade. Por ser o delegado de Novo Salto, Júlio prometera ficar de olho no rapaz, mas o que ele não esperava era que um sequência de acontecimentos mudariam para sempre sua vida e das pessoas que ele amava.

Numa manhã de sábado, Júlio recebe um chamado sobre um carro que havia sido encontrado abandonado e descobre que o mesmo carro era de sua namorada, Agatha. Ao chegar no local, encontra um segundo bilhete enigmático, o primeiro havia sido dentro do jornal, ainda em casa, mas não dera muita importância, já esse último, que estava no carro de sua namorada, trazia uma mensagem ainda mais curiosa: “Já comprou a pipoca?” E junto do recado, um pen drive que mostra algo inusitado, triste e ao mesmo tempo feliz, sua namorada estava grávida, mas onde ela estava?

– Está vendo isso, Júlio? Hein? Vê esse sofrimento? Isso tudo é culpa sua. Esse sangue ficará em suas mãos, não nas minhas. Está me ouvindo? Em suas mãos! Bem-vindo ao seu maior pesadelo!

É com essa premissa que Ricardo Ragazzo desenvolve um thriller emocionante e passamos 72 horas intensas com Júlio Fontana. O que mais me encantou em sua forma de escrever, apesar de pequenos vícios, foram os momentos em que achava que a história ficaria monótona e do nada surgia uma nova pista ou um novo acontecimento. O autor soube desenvolver bem os capítulos, as emoções e atitudes de cada personagem. Fez isso tão bem que gostaria de ter dado um tapa em Laura, filha de Júlio. A menina não é apenas abusada, ela é bastante petulante. Além disso, acaba criando um laço rápido e estreito com Miguel, o ex-presidiário odiado pelo próprio pai. Apesar do pai explicar o que ele havia feito, de dizer que o odiava, Laura o perdoou e dizia com todas as letras que o amava, típico de uma adolescente mimada.

Ao criar personagens palpáveis até demais, o autor mostra a face mais podre que o ser humano pode ter. Júlio precisa descobrir quem está por traz de tantas mortes que estão acontecendo simplesmente para se vingar dele, atingi-lo. Seria alguém que tenha colocado na cadeia? É possível! Alguém que o odeie? É possível! Eram muitas opções e enquanto não descobria quem queria fazê-lo sofrer, mais mortes aconteciam.

Todas as pessoas têm o mal dentro de si, só esperando por uma chance de colocá-lo para fora.

O livro é cheio de mortes muito bem arquitetadas e descritas. O propósito delas no desenrolar do livro é o que mais prende o leitor e praticamente tudo é revelado, literalmente, nas últimas páginas. Confesso que o final não foi muito bem o que eu esperava, com um toque que vai além do simples mistério e o desvendar de um caso, mas acredito que o autor tenha sido bastante feliz para seu propósito, criando algo inusitado e muito novo para o gênero. Infelizmente para mim foram esses elementos finais que quebraram o encanto, mas há quem tenha gostado e muitos leitores vão amar a surpresa que Ricardo nos prepara, porque é realmente uma grande surpresa.

É um livro nacional que sem dúvidas indicaria. Uma leitura de tirar o fôlego, que te prende do início ao fim e você consegue devorar em menos de 72 horas.



Deixe o seu comentário

3 Respostas para "72 Horas Para Morrer | Ricardo Ragazzo"

Carla - 30 maio 2013 às 10:07

Quero ler! Já tinha lido outras resenhas positivas a respeito e fiquei bastante interessada.

Beijos, Entre Aspas

Responder

Lola Mantovani - 30 maio 2013 às 16:04

Adorei a resenha, não conhecia esse livro, mas me envolvi bastante na resenha e já vou procurá-lo
beijos

Responder

Rodrigo Lessa - 30 maio 2013 às 20:20

Tenho esse livro *-*
eSTOU ESPERANDO um tempo para eu poder le-lo, porque preciso termoinar outros que estao pendendes, enfim… Ele parece ser um livro bom, na mionha opiniao, até pq gosto de suspense, agr na li algo sobre policial, e tal,…. mas eu espero que eu faça uma otima leitura, li sua resenha e fiquei mais um pouco por dentro rs. Bj

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por