Battle Royale por Koushun Takami - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
junho 29, 2014 Falando de Resenhas

Battle Royale por Koushun Takami


Battle Royale

Título: Battle Royale
Autor: Koushun Takami
Editora: Globo Livros
Skoob: Adicione!
Compre o livro: SUBMARINO* | CULTURA | SARAIVA
Classificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Em 1997, o jornalista e escritor japonês Koushun Takami sofreu uma grande decepção. O manuscrito de seu romance de estreia havia chegado à final do Japan Grand Prix Horror Novel, concurso literário voltado para a ficção de terror, mas acabou preterido. Não era para menos. Embora habituado a tramas assustadoras, o júri se alarmou com a história do jogo macabro entre adolescentes de uma mesma turma escolar que, confinados numa ilha, têm de matar uns aos outros até que reste apenas um sobrevivente. Detalhe: o organizador da sangrenta disputa é o próprio Estado japonês, imaginado pelo autor como uma totalitária República da Grande Ásia Oriental.
O livro, intitulado Battle Royale, só seria lançado em 1999, espalhando um rastro de polêmica – vendeu mais de 1 milhão de exemplares e foi comentado no Japão inteiro.

Battle Royale era um livro esperado por muitos leitores e quando a Globo Livros o lançou, foi uma felicidade sem fim. O kit enviado para os parceiros foi incrível! Tinha tudo a ver com a história e eu, infelizmente, recebi um garfo, morreria fácil, fácil quando chegasse ao Programa.

Quando Jogos Vorazes foi lançado, muita gente disse que era plágio de Battle Royale e essa foi uma ótima oportunidade de comparar as duas obras. Posso afirmar que existem muitos pontos parecidos, não vou entrar em detalhes para não dar spoiler, mas coisas como o jogo acontecer em uma ilha, ser um par de menino e menina, ter que matar uns aos outros e restar apenas um, são pontos praticamente idênticos. Mas o que mais me chamou a atenção e vi apenas em Battle Royale, foi o fato do autor utilizar algumas teorias que vemos num livro do George Orwell, 1984, onde existe um líder supremo, aquele que tudo vê e sabe os momentos de todos. E, sem dúvidas, Battle Royale é muito mais sangrento e violento.

Battle Royale

Conhecemos 42 estudantes, 21 meninas e 21 meninos, da turma do nono ano. Todos estavam preparados para um excursão, mas acabam sendo impedidos de chegar ao destino e vão parar no Experimento Militar no Programa, mais conhecido como Programa, que acontece anualmente. Quem vence, o último sobrevivente, recebe uma pensão vitalícia e um cartão autografado pelo Supremo líder. Obviamente, os responsáveis por cada estudante poderiam se opor a tal ato, mas a atitude que o governo tomaria, seria matar ou até mesmo espancar quem tivesse pensamentos que iriam de encontro aos do governo. O que podemos esperar, no final do Programa, é um verdadeiro mar de mortos.

Numa grande parte da história, temos a visão apenas do estudante Shuya Nanahara, todas as suas opiniões e desejos em relação ao governo e tudo o que acontece durante a apresentação que Sakamochi, a pessoa que está no comando, faz. Apesar de termos a visão, em grande parte, de Shuya, todos os 41 personagens fazem a diferença na história e têm um papel importante no final.

O grande lance desse livro é o fato de como as pessoas reagem a se verem obrigadas a sobreviver e matar as outras. Não são pessoas que você viu apenas uma ou duas vezes, são pessoas que você convive e tem algum sentimento ou ressentimento. Além disso, numa sala com 42 alunos, nenhum será igual ao outro, consequentemente terá gente boa e ruim. Cada estudante teve um passado diferente do outro e isso influencia de maneira significativa em como eles agirão dentro do jogo. Alguns podem matar sem pena, mas outros têm esperança de poder se ajudar e sair desse evento brutal.

– Além do mais, quando você diz que todos devem ser salvos, significa tão somente que talvez possamos de fato escapar desta ilha sem morrermos aqui. Mas, se isso acontecer, há uma grande possibilidade de sermos perseguidos pelo governo e acabarmos mortos. Você realmente acha que alguém concordaria sem contestar com um plano como esse? Você já esqueceu? Não sabemos quem são nossos inimigos neste jogo. Aceitar todos à revelia pode significar problemas sérios para você.

Até o momento, citei apenas ótimos pontos do livro, mas teve uma coisa que pesou bastante na forma que o avaliei. Como muitos sabem, Battle Royale foi publicado em 1999 e foi adaptado tanto para o mangá, quanto para filme. O livro possui enormes detalhes sobre tudo o que acontece, cena por cena, desde pequenos detalhes em relação ao espaço, até cheiros. Eu amo detalhes, confesso, mas para mim, já que esse é um título que visa essencialmente a relação tensão-sobrevivência, a quantidade de detalhes que tinha tornou a leitura um tanto cansativa. Pelo que vi, 90% das pessoas que o resenharam simplesmente o amaram, mas esse fator foi o que não me deixou dar cinco estrelas. Eu me senti incomodada, preciso dizer, e por isso fui atrás do mangá. O mais engraçado? Amei a adaptação para mangá, onde eliminou totalmente a quantidade de detalhes que mencionei para vocês.

Koushun Takami foi um escritor muito corajoso em criar uma história assim, tão real que chega a ser pesada, principalmente publicá-la no local em que vivia e com o governo que tinha. Não posso classificar Battle Royale como uma distopia, porque não chega a ser uma, mas temos a presença de um governo totalitário, exatamente o mesmo que existia no período em que Koushun vivia, e sem dúvidas não seria nada fácil viver sendo pressionado pelo governo, sem poder expressar-se.

Posso te aconselhar a ler Battle Royale por muitos motivos, mas os principais para mim é que: o livro possui um final ótimo; e mostra que vivemos numa sociedade, pode ser no Brasil ou no Japão, onde mesmo que tentemos lutar contra o sistema, muitas pessoas não entenderão e preferirão lutar umas contra as outras.

E por querer muito que vocês conheçam a história, tem promoção valendo o livro. O resultado sai dia 13/07!

a Rafflecopter giveaway



Deixe o seu comentário

9 Respostas para "Battle Royale por Koushun Takami"

Jean Souza - 29 junho 2014 às 19:25

Sou tributo confesso, li toda a trilogia em menos de uma semana, mas não tinha conhecimento do livro Battle Royale até ouvir de uma amiga que Jogos Vorazes foi baseado nessa história, me interessei ainda mais quando passei a pesquisar sobre o livro e ver o contexto no qual o autor o lançou, o que foi um ato de coragem. Um dos pontos que mais me chamou atenção foi que cada um dos 42 participantes dos “jogos” tem alguma função e não estão lá simplesmente parar morrer, tenho altas expectativas para com o livro e espero que durante minha leitura ela possa supri-las.

Responder

Raquel Moritz - 30 junho 2014 às 13:44

Vi o filme de Battle Royale há muuuuuuito tempo atrás e eu tinha na minha cabeça uma imagem impecável do filme. Mas a regra dos 15 anos tá aí pra provar nosso gosto duvidoso enquanto crescemos, hahaha. Eu assisti um pouco antes de lançar o livro e vi como ele é esquisito e dá a entender apenas que um grupo aleatório foi escolhido e blabalabla. Tipo, em parte é isso, mas a história é mais.

Quanto ao nível de detalhe, te entendo. Ver o filme, espiar o mangá e então me deparar com aquele calhamaço de páginas me deixou meio inquieta. Ainda não li, mas achei sua justificativa SUPER plausível: esses detalhes cortam a tensão. Faz muito sentido!

Agora, destaque para essa sua frase: “vivemos numa sociedade onde mesmo que tentemos lutar contra o sistema, muitas pessoas não entenderão e preferirão lutar umas contra as outras.” – clap clap clap clap

Sensacional, querida. Beijo! ♥

Responder

Vanessa Kalen - 05 julho 2014 às 02:36

Você não tem noção de como eu quero ler esse livro, <3
Assisti ao filme Battle Royale muito antes de saber que Jogos Vorazes existia. Quando ouvi pela primeira vez sobre a história de Jogos Vorazes, lembro de ter ficado super inconformada, haha (e não da pra evitar de comparar e comentar sobre isso) Hoje entendo que as propostas são bem diferentes. Fico feliz que mais pessoas estão conhecendo Battle Royale, porque pra mim, é bem melhor ;3

Responder

Fabianne - 05 julho 2014 às 16:08

Adorei o tema deste livro,pois acho uma autêntica distopia.Ademais adoro batalhas e o fato de serem estudantes que convivem diariamente duelarem me deixa um pouco apreensiva(e ansiosa para ler Battle Royale)e pretendo assistir ao filme também.
Nos mais,minha irmã já conhecia o mangá e ela adora.

Bjs

Responder

Georgia @stupidlambgirl - 05 julho 2014 às 19:46

Honestamente, este não é meu gênero favorito, mas a curiosidade é tanta para conferir esta publicação que só aumenta a cada resenha que leio! E neste caso não foi diferente; é sempre válido conhecer através de olhos mais apurados um pouco mais sobre a obra em questão.

Responder

Virginia de Oliveira - 08 julho 2014 às 13:16

Desde que li Jogos Vorazes e li comentários que era plágio de Battle Royale fiquei com vontade de ler esse livro, gosto desses livros que de alguma forma nos faz questionar o mundo em que vivemos. Acho que irei gostar do livro, gosto quando o livro tem diversos detalhes, então acho que isso não irá me incomodar na leitura.
Irei participar da promoção, talvez tenho sorte e consigo ganhar.

Responder

Cristiane de oliveira - 09 julho 2014 às 10:24

Eu estou louca pra ler esse livro, curiosa pra saber sobre a obra desde que li Jogos Vorazes e fiquei sabendo da onde veio a ideia, não gosto muito de livros com muitos detalhes mas acho que esse vale a pena ler.Não vi o filme e nem li o mangá, fiquei curiosa agora e vou procurar.

Responder

Allison Norberto - 09 julho 2014 às 11:51

Show de bola! Sou fã de Jogos Vorazes, dessa história toda de prender as pessoas em lugares para que se matem, acho legal saber como cada pessoa lida com esse tipo de situação, que tb acontece mais ou menos em Jogos Mortais, The Purge etc… fiquei interessado em ler o livro! 😀

Responder

Lais Cavalcante de Lucena - 10 julho 2014 às 18:37

Sei como você se sente quando a maioria das pessoas dão 5 estrelas em um livro e você não acha que foi essa Coca Cola toda..Mas eu estou louca para ler esse livro, principalmente porque falam que a Suzane Collins se inspirou nesse livro para construir Jogos Vorazes. Espero lê-lo o mais breve possível. Até estranhei o fato de você não classificar o livro como distopia, afinal, eu li inúmeras resenhas que fizeram isso.

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por