A Culpa é das Estrelas Archives - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
agosto 21, 2012 Falando de A Culpa é das Estrelas // Editora Intrínseca // John Green

Resenha: A Culpa é das Estrelas | John Green


Título: A Culpa é das EstrelasAutor: John GreenEditora: IntrínsecaSkoob: Adicione!Compare preços: Saraiva | Submarino | TravessaClassificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Em A Culpa é das Estrelas, Hazel é uma paciente terminal de 16 anos que tem câncer desde os 13. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

A Culpa é das Estrelas” foi aquele livro que peguei para ler sem saber nada da história, sem ao menos ter lido a sinopse ou uma resenha, mas a melhor parte disso é que foi um dos melhores livros que li este ano. Assim que terminei de lê-lo, fui ao Skoob marcá-lo como lido e acabei lendo uma resenha que chamava esta obra de John Green de “cancer book” e dizia ser apelativo por causa da doença. Mas o que percebi foi completamente o contrário.

O livro é narrado em primeira pessoa na voz de nossa querida Hazel Grace, uma menina de apenas 16 anos que descobriu, aos 13 anos de idade, ter câncer e isso a tornava uma paciente terminal. Mas graças ao Falanxifor os cânceres que tinha em seu corpo estavam estabilizados, não cresciam. Num belo dia, e com a insistência de sua mão para “fazer amigos”, quando Hazel vai ao Grupo de Apoio para Crianças com Câncer, vê que existe um novo membro no grupo, Augustus Waters, também sobrevivente do câncer, que não parava de olhar para ela. Ao final da sessão, Augustus a chama para conversar e a convida para ir à sua casa para ver um filme. Hazel acaba aceitando, por causa de uma boa metáfora, mas a partir do momento que ela pede para que ele lesse seu livro favorito, “Uma aflição imperial”, que narra a história de uma menina com câncer e que não tem literalmente um ponto final, tudo começa a acontecer.

– Hazel Grace, quando se é charmoso e fisicamente atraente como eu, é fácil seduzir quem você conhece. Mas fazer com que completos desconhecidos o amem… isso sim é um desafio.

Todos os personagens criados por John Green neste livro são encantadores! Hazel é inteligente, carismática e muito sarcástica, seu sarcasmo atinge principalmente sua doença. É uma personagem incrível do começo ao fim, principalmente pela força que tem. Já o Gus, ou Augustus para os não íntimos, é difícil definir em simples palavras, porque o que consegue criar entre ele e Hazel é singular, genuíno. A relação dos dois tem a essência e a beleza de algo puro. Já os pais de ambos são seres sofridos por terem medo de perder seus filhos tão jovens e podemos perceber isso claramente quando Hazel relata as vezes que seu pai está chorando.

“Se você quer que eu aja como uma adolescente, não me mande para o Grupo de Apoio. Compre uma carteira de identidade falsa para mim e aí eu vou sair à noite, beber vodca e tomar baseado”

Para mim, John Green não teve o objetivo de utilizar o câncer como algo para sentirmos pena e nos apaixonarmos pela história e seus personagens, mas para mostrar o paradoxo que é a vida, as metáforas que precisamos viver diariamente e os obstáculos e sofrimentos que as pessoas que possuem câncer podem enfrentar. O autor conseguiu de uma forma leve me sentir inserida na história de tanto que ri com as conversas de Gus, Hazel e Isaac, mas também me fez chorar durante umas 70 páginas seguidas igual criança.

O título do livro está completamente interligado à nossa protagonista. Ele faz uma referência ao trecho de “Júlio César”, escrito por Shakespeare: “A culpa, querido Brutus, não está nas estrelas, mas em nós mesmos”. E infelizmente, no destino de Hazel, a culpa não é dela, definitivamente.

“A Culpa é das Estrelas” é um livro que eu pude rir, chorar e ficar com vontade de ler até a lista de compras do John Green.

agosto 20, 2012 Falando de A Culpa é das Estrelas // Editora Intrínseca // Quote da Semana // Trecho da Semana

Quote da Semana #21


.

– Meu livro favorito é, provavelmente, Uma aflição imperial – eu disse.- Tem zumbis? – ele perguntou.- Não – respondi- Stormtroopers?Balancei a cabeça negativamente.- Não é esse tipo de livro.Ele sorriu.- Vou ler esse livro horrível com um título sem graça que não contém stormtroopers – ele prometeu, e imediatamente senti que não deveria ter lhe contado. O Augustus se virou para uma pilha de livros na parte de baixo da mesa de cabeceira. Pegou um deles e uma caneta. Enquanto escrevia algo na primeira página, falou: – Tudo o que peço em troca é que você leia esta adaptação brilhante e memorável do meu videogame favorito.

Página 37

Um livro super fofo, sofrido e ao mesmo tempo encantador! Já estou nas últimas páginas e estou amando Hazel, Isaac e Augustus. Me identifiquei muito com a Hazel, nossa personagem principal, porque ela tem um humar ácido e toma Advil!

E o que vocês estão lendo?

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por