Editora Intrínseca Archives - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
janeiro 02, 2013 Falando de Editora Intrínseca // Novidades // Novidades Literárias

Novidades Literárias


2013 começou e a editora Intrínseca já preparou seus lançamentos para este mês. Começando pelos livros juvenis, teremos Finale, o quarto livro da série Hush, Hush, com o tão aguardado desfecho para os fãs que estão ansiosos para saber o que acontecerá com Nora e Patch. Teremos também o lançamento do segundo volume da série Muncle Trogg: O menor gigante do mundo, Muncle Trogg e o Burro Voador. E é no segundo livro que o menor gigante do mundo enfrenta mais um problema por causa de sua estatura.


Já com os livros de ficção e não ficção, teremos preciosidades. Podemos esperar uma leitura obrigatória para todos os amantes do cinema: Alfred Hitchcock e os bastidores de Psicose. Essa não ficção do jornalista e roteirista Stephen Rebello desvenda os bastidores de Psicose, considerado pelo American Film Institute o melhor thriller de todos os tempos. O livro parte da história verídica dos crimes que inspiraram o clássico e expõe minuciosamente todas as etapas de produção do filme, além de trazer entrevistas com o próprio diretor, o elenco e a equipe envolvida nas filmagens. O romance de estreia de Matthew Quick, O Lado Bom da Vida, também merece destaque. Além de ser comovente e bem-humorado, o livro narra a tumultuada história de um professor que retorna ao lar após passar uma temporada numa clínica psiquiátrica. Para trazer a sua vida de volta aos eixos, Pat Peoples passa a seguir uma nova filosofia, que inclui entrar em forma, ser gentil e, principalmente, fazer de tudo para se reconciliar com a ex-mulher, Nikki. E por último, mas não menos importante, temos o lançamento de Um mundo, uma escola do americano Salman Khan, um fenômeno educacional dentro e fora da internet. Neste livro, o fundador da Khan Academy expõe, pela primeira vez, sua visão radical e revolucionária para o futuro do ensino. Ele propõe uma revisão geral do modelo de sala de aula tradicional, empregando a tecnologia para tornar o ensino um processo mais estimulante e participativo, feito sob medida para cada aluno.

Este ano teremos dois filmes baseados em livros que citei anteriormente que são: O Lado Bom da Vida que já foi eleito o melhor Filme do Festival Internacional de Toronto pelo público, recebeu 4 indicações ao Globo de Ouro e 5 ao Spirit Awards, o Oscar do cinema independente norte-americano; e Hitchcock, de Sacha Gervasi, protagonizado por Anthony Hopkins e Helen Mirren — que acaba de ser indicada ao Globo de Ouro e ao SAG Awards por sua atuação como Alma, esposa do famoso diretor. Confira os trailers!

outubro 21, 2012 Falando de Editora Intrínseca // Resenha

Resenha: Feita de Fumaça e Osso | Laini Taylor


Título: Feita de Fumaça e OssoAutor: Laini TaylorEditora: IntrínsecaSkoob: Adicione!Compre o livro: Clique aquiClassificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Pelos quatro cantos da Terra, marcas de mãos negras aparecem nas portas das casas, gravadas a fogo por seres alados que surgem de uma fenda no céu.Em uma loja sombria e empoeirada, o estoque de dentes de um demônio está perigosamente baixo. E, nas tumultuadas ruas de Praga, uma jovem estudante de arte está prestes a se envolver em uma guerra de outro mundo. O nome dela é Karou. Seus cadernos de desenho são repletos de monstros que podem ou não ser reais; ela desaparece e ressurge do nada, despachada em enigmáticas missões; fala diversas línguas, nem todas humanas, e seu cabelo azul nasce exatamente dessa cor. Quem ela é de verdade?

A cada livro que lemos, é praticamente a busca da perfeição, algo que realmente nos cative, conquiste e nos arrebate verdadeiramente para dentro de suas páginas… E assim foi com “Feita de Fumaça e Osso”. Não se enganem pela sinopse confusa ou por algumas resenhas, que como vi, são um pouco repetitivas, pois este livro é repleto de enigmas e questões precisamos desvendar. “Feita de Fumaça e Osso” não fala essencialmente de um amor proibido, mas é rodeado pela descoberta e redescoberta do próprio ser e a busca por saber quem realmente é.

Num primeiro momento, conhecemos Karou, uma menina de dezessete anos, órfã, com uma enorme habilidade para desenhar, cheia de tatuagens, as quais algumas estão ali desde que nascera, pois não sabe ou se lembra quando haviam sido feitas e possui cabelo azul. Mora atualmente em Praga, mas sua vida é dividida entre o mundo dos seres humanos, onde tem uma melhor amiga para dividir seus segredos, mesmo sendo contados de uma forma que parece ser brincadeira ou mentira, Zuzana, e o Outro Lugar, o local que Karou possui sua lembrança mais remota, desde criança, onde fora criada por quimeras: Brimstone, Issi, Twiga e Yasri. Brimstone era como um chefe, ou um pai, ainda não sei bem como defini-lo. Possuia características muito parecidas com o Bafomé: braços e torso humanos, suas ancas era de um outro animal e patas com garra. Era conhecido como Mercador de Desejos, pois trocava, com diversas pessoas, todos os tipos de dentes por desejos. Karou funcionava como uma intermediária entre os humanos e Brimstone, buscava dentes em diversos lugares do mundo e foi em Paris que reparou uma marca de mão marcada a fogo na porta que era um portal para a loja onde as quimeras estavam. Ao chegar em Marrocos, numa semana agitada, cheia de tarefas que Brimstone lhe pedira, as coisas mudaram de uma forma inimaginável ao enfrentar um anjo, Akiva.

Ela não entendia muito bem, mas alguma coisa começava a tomar forma, feita de magia e vontade. Fumaça e osso.

Uma história extremamente incrível! Laini sabe como instigar e criar um mistério atrás do outro e nos fazer buscar as respostas através da leitura instigante, simples e gostosa. Para mim, a autora conseguiu criar um universo complexo, diferente do que estamos acostumados, e cheio de seres diferentes, mas não vacilou em nenhum momento: suas descrições são parciais justamente para ir mais afundo com Karou, seus personagens paralelos, como Izil, não são simples passagens, eles têm sua descrição e função, diferente de muitos autores. O que mais me surpreendeu num todo é que cada autor vê determinado ser místico de uma forma: se fizermos uma comparação entre algumas histórias que têm anjos, no geral eles são guardiões ou seres de luz criados por Deus, mas Laini criou algo que transcende a criação bíblica/divina.

Karou é o retrato do anti-herói pois não sabe sua origem, comete erros, tem desejos fúteis e foi criada por seres, de certeza forma, “do mal”. Um personagem que merece destaque é Zuzana, me identifiquei muito com ela por ser baixinha, mandona e muito bem humorada, mas além disso ela é leal, mesmo com as condições e consequências que ser amiga de Karou tem.

Cheio de ação e mistério, “Feita de Fumaça e Osso” é um YA perfeito para quem espera uma nova conotação para anjos e demônios. Aposto um gavriel que quem ler esta trama, se apaixonará.

outubro 10, 2012 Falando de Editora Intrínseca // Resenha

Resenha: Homem-Máquina | Max Barry


Título: Homem-MáquinaAutor: Max BarryEditora: IntrínsecaSkoob: Adicione!Compre o livro: Clique aquiClassificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Charles Neumann é engenheiro e trabalha em um sofisticado laboratório de pesquisas. Ele não tem amigos ou qualquer tipo de habilidade social, mas ama máquinas e tecnologia. Por isso, quando perde uma das pernas em um acidente de trabalho, Charlie não encara a situação como uma tragédia, mas como uma oportunidade. Ele sempre achou que o frágil corpo humano poderia ser aperfeiçoado, e então decide colocar em prática algumas ideias. E começa a construir partes. Partes mecânicas. Partes melhores. A especialista em próteses Lola Shanks é apaixonada por membros e órgãos artificiais. Quando conhece Charlie, ela fica fascinada por ter encontrado um homem que parece capaz de produzir um corpo totalmente mecânico. Mas as outras pessoas acham que ele é um louco. Ou um produto. Ou uma arma. Em uma sátira sobre como a sociedade se tornou tão dependente da tecnologia, Homem-Máquina narra a estranha e divertida jornada de um homem em busca de aprimoramento.

Homem-Máquina, publicado pela editora Intrínseca, traz a história do engenheiro/cientista, que trabalha na empresa Futuro Melhor, Charles Neumann. Charlie é um homem completamente vidrado e aficionado por tecnologia, mas sua vida começa a mudar justamente quando acorda e não consegue localizar seu celular. Coisas que acreditamos serem simples, como escolher qual roupa vestir ou qual caminho escolher para chegar até o trabalho, para ele era algo que deveria ser pesquisado e para isso, utilizava seu celular, até o computador que possuía era algo irritante, por demorar “muito” para inicializar. Charlie se concentra para lembrar onde seu aparelho estaria, então lembra-se que, definitavamente, estaria no laboratório em que trabalhara até tarde na noite anterior. Ao chegar, procurou por todos os lados e mesmo assim não o encontrou, decidiu então começar a fazer alguns testes. Mas o que ele não contava era ver que os grampos que utilizava, os quais aparentemente eram inofensivos, poderia fazer com que ele perdesse uma perna.

O doutor Neumann é devidamente encaminhado para o hospital e recebe o melhor tratamento que poderiam lhe oferecer. Mesmo assim, fica triste por não ter muito o que fazer e por sentir-se um inútil por não ter um de seus membros. Para suprir a falta deste membro, surge Lola Shanks, especialista em prótese, e consegue a melhor perna que existia no mercado para que Charlie a utilizasse. Ao estar devidamente treinado de como utilizar seu novo membro, recebe alta, mas acaba percebendo que sua prótese pode e deveria sofrer melhorias, ou melhor, Charles Neumann poderia fazer um upgrade no membro que lhe faltava… ou até mesmo nos membros que poderiam ser aperfeiçoados.

– Você colocou um motor em uma perna?- Sim. Não. Um motor não. Vários. São necessários múltiplos motores para fazer uma articulação redundante dos dedos. – Eu estava nervoso. Não havia mostrado a perna a ninguém. Não completa. Eu havia escondido até mesmo dos meus assistentes de laboratório. – É experimental. Ainda preciso fazer muita coisa. Mas quero uma opinião. Como profissional.

A Futuro Melhor, através da amputação da perna de Charlie e seu ideal em aperfeiçoá-la e melhorá-la, acaba vendo uma oportunidade de lucrar na área da saúde. Mas ele queria apenas melhorar o membro que perdera e seu objetivo era criar uma parte melhor para si mesmo. Será que seria tão fácil e simples assim?

Homem-Máquina é um livro genial do começo ao fim. Charles Neumann, nosso protagonista, como disse anteriormente, é uma pessoa completamente conectada e não consegue se ver sem tecnologia. Acredito que a maioria de nós estamos na mesma situação: não conseguimos viver sem um dispositivo que acesse a internet, e-mails e mantenha contato com o mundo virtual, não é mesmo? Max Barry conseguiu, de maneira esplendorosa, criar um ambiente atual, onde é possível acreditar que as máquinas são e sempre serão superiores aos seres biológicos, e de certa forma achar que tudo o que foi relatado, pode, num futuro não muito distante, tornar-se real. Um dos maiores pontos positivos é que a história é em primeira pessoa e podemos saber o que se passa na cabeça do nosso protagonista o tempo inteiro, sem censura ou papas na língua.

Os personagens criados são bastante estereotipados. Barry, ao meu ver, fez uma bela crítica social através do seu eu-lírico, através de Charles Neumann. Pontos onde o capitalismo passa por cima da ética para alcançar uma vontade que irá beneficiar determinada empresa ou até mesmo em relação às pessoas que trabalham como engenheiros, as quais, em sua grande maioria, são feias e desajeitadas. Me identifiquei bastante com Cassandra Cautery, principalmente pelas frases que ela soltavam quando tinham uma conversa franca com Charlie.

“Cassandra, você é diligente, esperta, motivada e esforçada, mas precisa aprender a aceitar menos que a perfeição”

De forma geral, o que mais me chamou atenção é o quão nosso protagonista é humano, mas da forma peculiar dele. Toda a narrativa possui um pouco de humor negro e compaixão. Este último poderá ser observado através da relação entre Charlie e Lola, uma relação bem peculiar.

Caso você se identifique com os filmes “Eu, robô” e “Iron Man” e curta bastante os trejeitos de Sheldon Cooper, não tenho dúvidas, você vai amar este livro.

setembro 21, 2012 Falando de batalha de capas // capas // Editora Intrínseca

Batalha de Capas: Deslembrança


A batalha de hoje é do livro “Deslembrança“, publicado pela editora Intrínseca aqui no Brasil. Já nos EUA, o livro foi lançado pela Little, Brown Books for Young Readers.

Deslembrança” conta a história de London, uma menina que todos os dias, às 4:33 perde completamente a memória do seu passado e as únicas lembranças que restam são do futuro, sobre coisas que ainda vão acontecer. E para se lembrar de coisas que fez antes deste horário, ela sempre escreve bilhetes antes de dormir relatando coisas importantes que aconteceram durante seu dia e coisas que ela deve fazer no dia seguinte e os lê quando acorda. Uma história encantadora e muito curiosa.

Para vocês qual capa é a melhor?

setembro 14, 2012 Falando de Cinquenta Tons // Cinquenta Tons de Cinza // Editora Intrínseca

Resenha: Cinquenta Tons de Cinza | E. L. James


Título: Cinquenta Tons de CinzaAutor: E. L. JamesEditora: IntrínsecaSkoob: Adicione!Compare preços: Clique aquiClassificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Quando Anastasia Steele entrevista o jovem empresário Christian Grey, descobre nele um homem atraente, brilhante e profundamente dominador. Ingênua e inocente, Ana se surpreende ao perceber que, a despeito da enigmática reserva de Grey, está desesperadamente atraída por ele. Incapaz de resistir à beleza discreta, à timidez e ao espírito independente de Ana, Grey admite que também a deseja.

.

Finalmente li o livro mais comentado de todos os tempos! Estava ansiosa para saber o que tinha de tão bom nele para atrair tantos leitores.

Cinquenta Tons de Cinza” começa com um encontro casual entre Anastacia Steele, uma universitária a ponto de se formar com 21 anos, e Christian Grey, CEO de sua própria empresa e extremamente rico, onde ela iria entrevistá-lo porque sua melhor amiga, que participa do jornal da universidade, Kate, estava se sentindo muito doente e não poderia ir. De alguma forma, Ana, forma que a maioria das pessoas chamam Anastasia, pensa tempo demais no senhor Grey e, de certa forma, ele também se sentiu atraído por ela. Eles acabam se encontrando acidentalmente, ou não, e isso contribuir para que o sentimento se tornasse incontrolável e outros encontros acontecessem. Esses fatores poderiam contribuir para um relacionamento normal e prazeroso, mas o que Ana não sabe é que Christian Grey tem suas peculiaridades quando o assunto é sexo, o lindo e desejado Grey é adepto ao BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) e só conhece relacionamentos como uma forma de relação entre dominador e submissa. Assim, ele deixa bem claro que a senhorita Steele, a qual não sabia onde estava se metendo, precisa assinar alguns papéis: o primeiro era um compromisso de confidencialidade e o próximo passo seria um contrato com cláusulas e regras para que ela aceitasse ser submissa à ele em todos os aspectos e só assim, juntamente com sua permissão, ele utilizará seus “brinquedos” para fazer o que realmente queria. Enquanto pensa no assunto, eles acabam se relacionando e Grey ensina tudo o que quer e como quer. Será que Anastacia aceitará isso?

15.18 A Submissa aceitará sem questionar todo e qualquer ato disciplinar que o Dominador julgue necessário e se lembrará sempre de sua condição e de suas obrigações em relação ao Dominador.15.19 A Submissa não se tocará ou se dará prazer sexualmente sem a permissão do Dominador.15.20 A Submissa deverá se submeter a qualquer atividade sexual exigida pelo Dominador, sem hesitar ou questionar.

Como disse no Quote da Semana, esperava mais sexo. Mas de certa forma, a leitura é bem cativante e acaba prendendo a atenção. Confesso que não gosto da saga Crepúsculo, como vocês sabem, mas E. L. James conseguiu inserir um pouco de Bella, Edward e Jacob, o que tornou a trama romantizada demais e tirou boa parte do erotismo da história.

O fato do livro ter mexido com muitas pessoas e ter atraído tantas opiniões diferentes foi exatamente o que me fez gostar dele. Principalmente porque muitas pessoas acharam o senhor Grey um cara medonho pelo fato dele gostar de uma forma diferente de relação sexual, mas é como ele mesmo disse: as coisas que acontecem entre quatro paredes só importa para quem está entre elas. O jeito infantil e meio bobo da Anastacia agir foi o que mais me incomodou. Não vejo anormalidade alguma em ela ser virgem aos 21 anos, tudo bem, mas agir inocentemente todo o tempo é meio estranho. Ana perde sua virgindade com o senhor Grey e estava sempre pensando em sua “deusa interior”, algo relacionado ao ego feminino, e seu subconsciente, portanto, alguém tinha que avisar à ela que quem está na chuva é para se molhar! Já o senhor Grey… este era a melhor parte do livro, um homem decidido, bonito, bem cuidado e encantador, este sim me conquistou de vez, sem tirar nem por, mesmo com seu conceito diferente de relacionamento.

O mais engraçado é que este livro vai de encontro aos ideais das mulheres do século passado, as quais “queimaram” sutiãs, lutaram por sua liberdade e contra a dominação masculina. Acredito que o sucesso desta trilogia se remete exatamente ao fator da mulher “precisar” de um Christian Grey na cama, não para que ela seja submissa em todos os momentos, mas para que tenha sempre algo picante na relação, algo que seja novo e interessante. Os homens têm revistas pornôs, filmes, então nós mulheres podemos ter uma literatura mais madura. E. L. James é bem detalhista em suas descrições, principalmente na hora dos atos sexuais, a qual ela desenvolve com tempo e detalhes, muitos detalhes.

Se você é uma pessoa que gosta de uma leitura mais picante, porém com uma boa dose de romance, este livro pode ser uma ótima escolha.

setembro 12, 2012 Falando de Editora Intrínseca // fifty shades // Quote // Quote da Semana

Quote da Semana


.
Puta merda. Ele pega meu pé esquerdo, dobra meu joelho e põe meu pé na boca. Observando e avaliando todas as minhas reações, beija ternamente cada um dos meus dedos, depois dá mordidas leves nas partes carnudas. Quando chega no dedo mindinho, morde com mais força, e eu estremeço, gemendo. Ele desliza a língua pela planta do meu pé – e não consigo mais olhar. É muito erótico. Vou entrar em combustão. Fecho os olhos com força e tento absorver e administrar todas as sensações que ele está criando. Beija meu tornozelo e vai deixando uma trilha de beijos da panturrilha até o joelho, parando logo acima. Aí começa no meu pé direito, repetindo todo o processo sedutor e enlouquecedor.
Página 128

No geral, o livro até o momento é bem legal, apesar de estar sendo um pouco repetitivo em alguns assuntos, além disso, imaginei algo mais hot na leitura. Estou dando graças porque não vejo muitos vestígios da saga Twilight, já que é uma fanfic da mesma, e não sou muito fã desta história de amor vampiresco.

Alguns dias atrás soube que serão lançados mais duas fanfics baseadas em Crepúsculo e os direitos foram comprados pela Penguin. O autor se chama Sylvain Reynard e os dois primeiros títulos é “Gabriel’s Inferno” e “Gabriel’s Rupture”. Será uma nova fase da literatura? O que vocês acham?

E qual a leitura de vocês desta semana?

Páginas1234

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por