Projeto Edgar Allan Poe Archives - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
outubro 24, 2013 Falando de Projeto Edgar Allan Poe

Projeto Edgar Allan Poe – Morela


E depois de muito tempo sem falar sobre os contos que me propus a ler, o Projeto Edgar Allan Poe volta num mês bastante propício! Desta vez falarei sobre o conto Morela, que foi publicado pela primeira vez em 1835, com o título original de Morella. Como muitos sabem, e provavelmente eu tenha citado em algum dos posts que falo sobre Poe, ele foi um homem que perdeu seus amores muito precocemente. Sua obra está – geralmente – impregnada com temas como casamento, família e morte. E até o momento, dos contos que li, a relação mais normal que apareceu foi justamente neste conto, Morela.

O conto é narrado pelo homem que encontra Morela. Se conheceram pelo acaso, ele sentiu chamas que nunca sentira antes, mas ainda assim não eram as chamas de Eros, aquele amor apaixonado, com desejo e atração. Acabaram se casando, mas ainda assim ele nunca havia falado sobre amor ou paixão.

Morela, a qual ouvimos sua voz apenas em seu leito de morte, é uma mulher erudita, que foi educada em Presburgo, e apresenta alguns escritos místicos ao marido, o sedimento da primitiva literatura germânica. Ele, a partir do momento que conhece estas obras, mergulha de cabeça nos estudos, chegando a comprar sua mudança como o Hinnon transformando-se na Geena, uma referência Bíblica ao inferno. Tópicos como o panteísmo de Fichte, a poligenésia modificada de Pitágoras e doutrinas de Identidade, de Schelling eram desenvolvidos entre Morela e seu marido. O panteísmo de Fichte trata, de uma forma abrangente, sobre um sistema filosófico que identifica a relação de Deus com o mundo e para Fichte o ser é o próprio deus, não é necessário nenhum outro. A partir daí é possível compreender que tipos de escritos eles liam.

– Jamais existiram esses dias em que podia amar-me… mas aquela a quem na vida aborreceste, depois de morta a adorarás. – Mareia!

O autor nos informa que chegou um momento em sua vida que a presença e o jeito que Morela agia o oprimia e incomodava, então ele começa a desejar a morte da própria esposa. E é numa tarde de outono que Morela morre, mas dá a luz à uma menina. A criança cresce semelhante à mãe. O mais curioso em relação à criança que nasce é que em momento algum o autor nos informa que sua esposa estava grávida ou que ele seria pai. Fica aqui meu pensamento de que, será que a primeira Morela existiu? Seriam ambas frutos do pensamento de um homem louco que precisa de algo para se agarrar?

De todos os contos que li de Poe até o momento, as mulheres têm sempre as mesmas características: são magras, mórbidas e morrem. Mas apesar disso, pequenos detalhes chamam a atenção para o gosto peculiar de Poe e sua obscuridade, por exemplo, em Berenice, os dentes é o que atrai o narrador, já em Morela, são os olhos.

Este é um conto que existe diversos elementos para serem pesquisados e analisados. Acredito que tenha sido o meu favorito até o momento!

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por