Sem categoria Archives - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
novembro 20, 2012 Falando de Sem categoria

Olá, mundo!


Bem-vindo ao WordPress. Esse é o seu primeiro post. Edite-o ou exclua-o, e então comece a publicar!

fevereiro 14, 2012 Falando de Sem categoria

Meme: Tagged Post


A Gabi do Fluffy me passou este meme, então, nada melhor que respondê-lo! As regras ela postou em inglês, mas acho melhor e mais garantido deixá-las em português, aproveitando algumas partes que a Gabi já deixou traduzido.

Regras

  • Escrever 11 coisas (aleatórias) sobre você no blog;
  • Responda as perguntas que a pessoa mandou para você e crie 11 novas perguntas para as pessoas que você indicar;
  • Escolha as próximas 11 pessoas para responder e as link no post;
  • Vá as páginas e avise quem você indicou;
  • Não volte o meme;
  • Você tem que postar as regras.

11 coisas aleatórias sobre mim

1- Sou casada.
2- Amo comida japonesa! Amo tanto que se pudesse, comeria todos os dias!
3- Fico praticamente 24 horas na frente do computador.
4- Não gosto de errar. Sério! De jeito nenhum,
5- Sou muito chorona.
6- Tenho medo do escuro.
7- Amo, amo, amo e amo Legião Urbana.
8- Às vezes tenho vontade de abraçar o mundo inteiro ao mesmo tempo.
9- Coloco mais de 10 horários marcados no celular para conseguir acordar na hora que preciso.
10- Sou nerd! Pois é, adoro estudar! Se eu pudesse e meu tempo dessa, passaria o meu dia inteirinho lendo, estudando e escrevendo.
11- Gosto de cores bem diferentes nas unhas.

Perguntas da Gabi

1. Qual é a coisa que mais te traz felicidade?
Estar com meus pais.

2. Por que você começou a blogar?
Porque os livros para mim sempre foram uma paixão, desde muito nova. Meu pai até se pergunta com quem eu peguei este costume de ler. Mas acho que minha escolha de faculdade, desde muito cedo, influenciou bastante.
3. Qual é a sua cor preferida?
Eu gosto muuuuito da cor preta, mas sempre vario dependendo do tempo ou do meu humor.

4. Qual é a música que mais combina com o seu jeito de ser?
Metal Contra As Nuvens – Legião Urbana
5. Você tem um porto-seguro? Onde?
Nunca pensei em algum lugar que se chamasse “porto-seguro”, mas se fosse para escolher um lugar, eu escolheria os braços das pessoas que mais amo no mundo, meus pais e meu marido.
6. Quais são as pessoas mais importantes pra você?
Meu pai, minha mãe e meu marido.
7. Se você pudesse escolher um lugar pra passar grande parte da vida, qual seria?
Posso continuar no Rio de Janeiro? Eu escolheria os EUA se fosse para escolher algum lugar diferente.
8. Qual é a coisa mais louca que você já fez na vida?
Eu com certeza já fiz algo mais louco que isto, mas foi a lembrança que me veio mais rápido à mente que foi quando tentei fazer minha sombrancelha e fiz uma catastrofe nela.
9. Qual é o seu fime preferido, aquele que você assiste milhões de vezes e nunca se cansa?
Posso escolher todos da Jennifer Aniston? Se é para escolher um, eu escolheria “Mama Mia”.
10. Você é muito apegado a algo material? Se sim, o quê?
Sim! Às minhas roupas. Parece ser coisa de gente supérfula, mas não. Eu tenho um ciúme e tanto das minhas roupinhas! :B

11. Quantos livros você tem na sua lista de “vou ler” hoje?
Eu tenho uma lista a parte que não acompanha o Skoob (preguiça, ok!), mas acredito que ela esteja em uns 130, mais ou menos.

Minhas 11 perguntas

1- Qual seu seriado preferido?
2- Qual livro você está lendo no momento?
3- Existe alguma música que traduz o momento que você está passando?
4- Existe algo que você disse que nunca faria e depois mudou de ideia?
5- Se você pudesse participar de algum filme, qual seria?
6- Do que você mais tem medo?
7- Qual o livro mais incrível de todos os tempos?
8- Caso alguém conseguisse construir uma máquina do tempo, para qual momento da história você voltaria?
9- Qual sua editora preferida?
10- Uma viagem dos sonhos?
11- Qual momento da sua vida que você jamais poderia se esquecer?

Minhas 11 indicações para fazer o Tagged Post

Lu Piras – Equinócio
Cynthia – Nina no Espelho
Brenda – Catavento de Ideias
Amanda – Primeiro Livro
Luana – Mulher Gosta de Falar
Pah – Livros & Fuxicos
Karine – Girl Spoiled
Marcos Antonio – Devorador de Letras
Angela – Pocket Libro
Sora – Meu Jardim de Livros
Marina – Distribuindo Sonhos

janeiro 03, 2012 Falando de Sem categoria

Tolkien, 120 anos!


Primeiro post do ano, um ano que para todos nós será de muitas conquistas e alegrias! Espero que vocês, queridos amigos, estejam sempre me acompanhando na longa caminhada que temos diariamente, esta tal vida. E hoje, o post será nada mais, nada menos, sobre um dos escritores que admiro muito, Tolkien.
Se uma das figuras mais importantes da literatura fantástica estivesse viva, o homem que conseguiu criar um marco divisório: a.T. (antes de Tolkien) e d.T. (depois de Tolkien), completaria hoje, dia 3 de janeiro de 2012, 120 anos. Nosso glorioso professor de Oxford, escritor e filólogo que influenciou a literatura, a música, o cinema e até mesmo a religião, o qual foi responsável pela conversão, do até então ateu, Lewis.
Este mesmo Tolkien criou 2 sistemas linguísticos élficos e também, o que me deixa mais de boca aberta, o sistema de escrita das runas.
Seu primeiro sucesso, que surgiu em 1928, “O Hobbit“, o qual teremos que esperar até dezembro para ver, ou seja, queridos Maias, esperem! Foi a partir de uma folha em branco, de um dos alunos que gostariam de ingressar na universidade que Tolkien escreveu: “Em um buraco no chão vivia um hobbit.” e foi ai que começou a escrever, mas acabou abandonado no meio. Mas após passar por mãos e pessoas que leram o manuscrito, chegou à Dagnall, a qual ficou encantada e encorajou Tolkien a terminar sua obra em 1937.

(Casa real, construída por Simon Dale)
Além de “O Hobbit”, escreveu o tão conhecido e amado “O Senhor dos Anéis” entre 1937 e 1949, com muitas partes criadas durante a Segunda Guerra Mundial. Com a tradução feita para mais de 40 línguas e vendido mais de 160 milhões de cópias, sendo uma das obras mais vendidas no século XX.

E hoje, aniversário do nosso “Gran Mestre”, nada mais justo que um brinde com um copo cheio de hidromel! SAÚDE!

novembro 27, 2011 Falando de Sem categoria

Evento: Prêmio Codex de Ouro 2011


Ontem, dia 26, aconteceu no Recreio dos Bandeirantes, uma das mais novas premiações e que com certeza veio com tudo e para ficar: o Codex de Ouro.
Tive a felicidade e a oportunidade de conhecer pessoas incríveis e principalmente, tirar foto com um dos escritores de estórias vampirescas que mais admiro, depois de Anne Rice, o André Vianco! Sim! Comecei a tremer e nem tinha uma frase bem construida para dizer à ele, mas isso é “apenas” um detalhe.
Como disse num post anterior, o Codex veio para mudar o cenário da mesmice de diversas premiações que conhecemos. Trazendo assim, a eleição de obras de acordo com sua produção, ou seja, sua perfeição e exigências. A ideia desta premiação foi criar algo inédito e que desse vida e forma à opinião de nós, assíduos leitores, para eleger diversos autores e obras, independentes ou não, com editoras grandes ou não.

O evento começou com uma enorme mesa de café da manhã e aos poucos foram chegando todos os convidados. Dentre eles estavam Talita Rebouças, Babi Dewet, André Vianco (ahhhhhhh!), Tammy Luciano e muitos outros escritores que admiramos muito. Logo no começo da premiação, aconteceu uma incrível interpretação da poesia de Augusto dos Anjos, “O Lupanar“. E logo depois, mais ou menos no meio do evento, a cantora e compositora Soninha Senra apresentou duas canções inspiradas no livro “A Bandeja” e “Entre a mente e o coração“, que por sinal eram belíssimas.
Mas vamos ao que interessa, os premiados e suas respectivas categorias, não é mesmo?
Revista Literária: Culture News
Blog Literário: It Cultura
Resenhista: Lorran Feital
Booktrailer: O Arquiteto do Esquecimento – Marcos Bulzara
Design de capa: O Portal – Eliane Raye
Antologia Individual: Doidas e Santas – Marta Medeiros
Antologia em conjunto: Amor Vampiro – Adriano Siqueira, André Vianco, Martha Argel, J. Modesto, Nelson Magrini, Regina Drummond e Giulia Moon
Publicidade online: A Batalha do Apocalipse – Eduardo Spohr
Poesia: Dedal de Areia – Antonio Brasileiro
Chick-lit: Pobre não tem Vez – Leila Rego
Sobrenatural: Um Mundo Perfeito – Leonardo Brum
Ficção fantástica: A Batalha do Apocalipse – Eduardo Spohr
Drama e policial: Apátrida – Ana Paula
Romance: Todas as Estrelas do Céu – Enderson Rafael
Editora: Verus Editora
Autor: Eduardo Spohr
Autora: Talita Rebouças
Categoria Vox Populi
Livro: Sábado à Noite – Babi Dewet
Autor: Eduardo Spohr
Vocês também podem conferir todos os indicados ao prêmio no site do Codex de Ouro clicando aqui!

Chegando ao final da premiação, a Lycia do Rego, uma das apresentadoras do evento, fez uma grande e merecida homenagem ao realizador e idealizador, o querido Roberto Laaf. E não foi à toa! O evento foi incrível e espero que cada vez falemos mais e mais sobre ele, e no próximo ano, tenha uma repercussão incrível. Como disse a Talita Rebouças, o livro pode e deve se tornar pop, basta acreditarmos.

Caso vocês queiram dar uma conferida em todas as fotos do evento, é só dar um pulinho aqui!

novembro 25, 2011 Falando de Sem categoria

Concurso Cultural "Julieta Imortal" – Editora Novo Conceito


Já imaginou ganhar um jantar romântico para duas pessoas ou um relicário personalizado do livro Julieta Imortal? É melhor começar a pensar nisso, porque a Editora Novo Conceito, mais uma vez vai presentear seus queridos leitores!

Para participar, você deve enviar uma carta respondendo a seguinte pergunta: “Se você pudesse expressar um sentimento único, qual seria e por quê?” Vale soltar a criatividade no espaço em branco da folha, da forma que melhor represente sua resposta. Feito isso, envie sua carta para a Editora Novo Conceito:

Concurso Julieta Imortal
Rua Dr. Hugo Fortes, 1885 | Pq. Industrial Lagoinha
Ribeirão Preto – SP
Cep: 14095-260

Ah! E vale dar uma conferida no regulamento!

outubro 17, 2011 Falando de Sem categoria

Amor ou ódio: Machado de Assis


Bom, resolvi fazer este post porque ultimamente tenho visto muitas pessoas dizendo que não gostam de literatura clássica brasileira e eu, como uma boa estudante de literatura, defendo o bom e velho clássico. Sim, eu amo as novas publicações, alguns vieram para revolucionar! Digo isso com toda certeza, tanto em nossa literatura brasileira, como André Vianco; como na literatura americana, tal qual Suzanne Collins, Cassandra Clare, dentre muitos outros.
Muita gente torce o nariz quando ouve o nome ‘Machado de Assis’. Alguns dizem que não gostam e nem tentaram ler nenhuma de suas obras, outros dizem que ama apenas para sentir-se mais ‘cult’. E eu sei bem o que é ODIAR Machado! Em um passado, não muito distante, quando tinha por volta dos 12 anos, minha professora de português da época pediu que fizéssemos um resumo da obra ‘Dom Casmurro’ e convenhamos, é difícil para uma criança de 12 anos, que não conhece nada da vida, perceber a verdadeira essência que Machado gostaria de passar nesta obra, onde havia possíveis traições, tringulos amorosos, toda a dúvida que o escritor transpassa em sua obra, além de muitos outros acontecimentos sociais, os quais vemos até hoje.
Machado foi um escritor que criou seus textos entre o ano de 1854 e sua última publicação foi em 1908, findando sua vida e publicações com Memorial de Aires. Mas não pense que nosso querido Machadão escreveu para os intelectuais da época não, ele não tinha nem o objetivo de ‘falar difícil’. Na verdade, ele escrevi para o povão, que naquela época utilizava uma linguagem bem diferente da nossa atualmente. Este incrível escritor preocupava-se muito com seus leitores, posso até afirmar que a informação para ele era primordial e marcada também por humor bem sutil, o que fazia parte de seu jeito carioca de ser.
E se você realmente quer curtir ou ao menos tentar conhecer Machado de Assis começando por uma leitura bem light e curiosa, aconselho a começar por Memórias Póstumas de Brás Cubas. O livro marca um novo estilo na obra de Machado e não foi à toa considerada a obra que iniciou o Realismo no Brasil, mas isso já é outro assunto.
Este livro trata-se de um “defunto-autor”, é isso mesmo, o cara já morreu e quer escrever sua autobiografia! É narrado em primeira pessoa e é desta forma que Brás Cubas nos mostra a sociedade carioca do século XIX. E uma coisa bastante interessante que Machado consegue trazer à tona neste livro são as problemáticas da nossa sociedade, que por incrível que pareça, existem até hoje. Ele nos mostra de uma forma irônica como nosso país foi formado e suas contradições.

Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. Mais; não padeci a morte de D. Plácida, nem a semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: — Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.

Muitas pessoas que já leram ou algum dia vai ler alguma de suas obras, com certeza vão continuar não gostando, muita gente não consegue, de maneira alguma, engolir Machado. Mas cada um com seu gosto, não é mesmo? Por outro lado, há o quesito idade, como havia dito no começo e como afirma Antonio Carlos Viana: dar Machado de Assis para um menino de 15 anos é querer que ele não goste de literatura, nunca mais.
Para quem nunca leu, ao menos tente, acho válido! (:
Páginas12

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por