O Silêncio das Montanhas | Khaled Hosseini - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
novembro 10, 2013 Falando de Resenhas

O Silêncio das Montanhas | Khaled Hosseini


O Silêncio das Montanhas

Título: O Silêncio das Montanhas
Autor: Khaled Hosseini
Editora: Globo Livros
Skoob: Adicione!
Compre o livro: CULTURA | SARAIVA | SUBMARINO
Classificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

O Silêncio das Montanhas traz como protagonista os irmãos Pari e Abdullah, que moram em uma aldeia distante de Cabul, são órfãos de mãe e têm uma forte ligação desde pequenos. Assim como a fábula que abre o livro, as crianças são separadas, marcando o destino de vários personagens. Paralelamente à trama principal, Hosseini narra a história de diversas pessoas que, de alguma forma, se relacionam com os irmãos e sua família, sobre como cuidam uns dos outros e a forma como as escolhas que fazem ressoam através de gerações.

Apesar de não ter lido O Caçador de Pipas, fiquei muito curiosa para ler O Silêncio das Montanhas e valeu cada página que virei e cada minuto que passei ao lado de um dos melhores contadores de histórias que já vi, que é Khaled Hosseini.

Em O Silêncio das Montanhas somos, inicialmente, apresentados à cultura Afegã no outono de 1952. Conhecemos Abdullah, com aproximadamente 10 anos; Pari, com aproximadamente 3 anos; e Saboor, o que aparentemente os tornam personagens centrais da história, mas Khaled vai muito mais à fundo e mostra que as história têm suas tramas e é impossível restringir algo na proporção que somos apresentados à apenas três personagens. Saboor é o pai de Pari e Abdullah, e apesar de ser um homem de compleição dura, tem seus momentos de afeto e são estes momentos que o tornam um exímio contador de histórias que sempre envolvem devs, jinis e gigantes. E na noite anterior à sua partida para Cabul, onde trabalharia na casa do patrão de Nabi, seu cunhado, na construção de uma casa de hóspedes, que conta a história de Baba Ayub, que tinha cinco filhos e quando chegou o dev em sua aldeia teve que dar o filho que mais amava. Esta história funcionou apenas como um prenúncio do que estava por vir.

Pari e Abdullah não são apenas irmãos, entre eles há um amor maior que tudo e que os faz feliz pelo simples fato de estarem juntos. A mãe deles morreu quando Pari nasceu e a partir de então Abdullah era o pai dela, já que acordava durante a noite para trocar suas fraldas, colocava-a para dormir, cuidava dela com a maior dedicação. E quando eles chegam em Cabul, na casa em que, supostamente, Saboor trabalharia, Abdullah sabia e sentia que sairia dali sem sua irmã.

Encontrei uma fadinha triste
Na sombra de uma árvore de papel.
Conheço uma fadinha triste
Que foi soprada pelo vento da noite.

Como disse, não é apenas a história de Pari, Abdullah e Saboor que conhecemos. Conhecemos também o passado e as atitudes de cada personagem ligados à eles, seja pelo passado que tiveram, pelo presente que estão tendo ou o futuro que ainda terão. São nove capítulos com visões diferentes da história, narrando momentos diferentes, em épocas diferentes… Mas uma coisa que consegui identificar em todos eles é que apesar das atitudes que tomam, e em sua maioria são por interesse próprio, o arrependimento chega com força total e, na maioria dos casos, não há como redimir-se, voltar no tempo e fazer diferente. Mas também vi que muitos personagens, apesar de ver atitudes erradas, conformam-se, aceitam, acostumam-se.

Durante os capítulos, podemos ver e entender um pouco do que as guerras foram capazes de fazer com a população: os incessantes bombardeios, as minas terrestres, os roubos, estupros e assassinatos; além, futuramente, dos narcotraficantes. Mas apesar das coisas ruins, vemos também coisas boas que realmente aconteceram, como pessoas que abriram mão da vida estável e do dinheiro fácil para ser voluntário em terras estrangeiras para construir clínicas e escolas, consertar estradas e providenciar alimentos, abrigos e empregos.

Não faz muito sentido recontar tudo em detalhes, sr. Markos, mas a cena se deu exatamente como eu temia. Depois de todos esses anos, ainda sinto o coração apertado quando essa lembrança abre caminho e surge em minha mente. E como poderia ser diferente? Peguei aquelas duas crianças indefesas, entre as quais o amor havia encontrado sua expressão na manifestação mais simples e pura, e separei uma da outra.

Além do Afeganistão, damos uma volta ao mundo e conhecemos lugares como França, Estados Unidos e Grécia. Cada pais e cidade com seus problemas, mas ainda assim, com um brilho incrível.

O Silêncio das Montanhas me deixou emocionada e com um nó no estômago do início ao fim. Khaled, com uma narrativa completamente diferente, mostra que ao mudar o futuro de uma pessoa, você pode interferir em tudo que está, não somente ao seu redor, mas ao redor de outrem; que é muito fácil incomodar-se com algum fato que o revolta, mas é ainda mais fácil esquecê-lo para que sua vida corra da mesma forma estável e confortável de sempre; que apesar da perda, as lembranças boas continuam; que é fácil desistir de algo que te dá medo, que te tire da zona de conforto; mas que, acima de tudo, o amor move montanhas, ultrapassa as barreiras do tempo e do espaço, é só querer.

Leia O Silêncio das Montanhas com o coração aberto para uma nova experiência, para novas culturas e novas histórias. Deixe Khaled Hosseini guiá-lo através de uma experiência incrível e inesquecível.



Deixe o seu comentário

11 Respostas para "O Silêncio das Montanhas | Khaled Hosseini"

Cris - 11 novembro 2013 às 10:27

Amei a resenha e estava extremamente curiosa para saber o que Khaled estava reservando em seu novo título. Parece engraçado, mas adoro o quanto ele expõe da cultura e das histórias. É lindo conhecer tudo o que ele nos oferece.

Responder

Jacqueline - 11 novembro 2013 às 11:36

oie Thaís,
Nunca li nada do autor, apesar de na época do lançamento do Caçador de Pipas, o livro ter sido muito divulgado, e eu ter ficado prestes a comprar por várias vezes.
Gosto desses enredos que nos sugam para a história, e tem o dom de emocionar. Acho que irei começar com esse livro para conhecer a escrita do autor.
bjos
http://www.mybooklit.com

Responder

Jeremias Oliveira - 11 novembro 2013 às 13:33

Thaís, eu estou mt mt curioso em relação ao livro, tenho quase certeza de que vou gostar!
Beijocas! Fique com Deus!
Jesus te ama <3

http://hey-mygod.blogspot.com.br/

Responder

Si Schurhaus - 11 novembro 2013 às 15:08

Thaís,

Primeiro muito obrigada pela visita no meu blog. 🙂
Estou terminando de ler este livro, já li todos do Khaled, adoro.
Tbm adorei sua resenha.

Beijos! 🙂

Responder

Paloma - 11 novembro 2013 às 17:42

Aê…estou louca para ler esse livro. Também não li Caçador de Pipas, mas é outro que desejo. O Silêncio das Montanhas parece uma obra muito emocionante mesmo. Verei se compro…
Beijos!
Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

Responder

Nana - 11 novembro 2013 às 18:20

Hey
Eu tenho o outro livro do autor que ganhei da minha tia, infelizmente ainda não pude ler.
Mas sempre leio que as histórias dele emocionam, mesmo.

Ainda não tinha lido uma resenha sobre esse, gostei do enredo e é sempre bom ler sobre uma cultura diferente.

bjs

Nana – Obsession Valley

Responder

Ane - 11 novembro 2013 às 20:46

Oieee! Nossa, fiquei aqui sem palavras com sua resenha. Adorei. O livro tem tudo para ser emocionante. Também não li O caçador de pipas :/
Vou colocar já esse livro na minha listinha de desejados….

Super beijo flor!

Responder

Vanessa Sueroz - 12 novembro 2013 às 19:13

Oie,
já tinha visto a capinha do livro por aí, mas nunca tinha lido uma resenha.
Confesso que fiquei na dúvida se iria gostar da leitura, então não compraria no momento.

bjos

http://blog.vanessasueroz.com.br

Responder

Mayara - 12 novembro 2013 às 19:56

Ohhhhhhhhhhh, cara… Seu blog é tão lindo! Estou encantada <3
E me encantei mais ainda ao visitá-lo pela primeira vez e ver logo uma resenha do Khaled Hosseini, já que ele é um autor que, assim, me conquistou na primeira e única leitura dele, que foi O caçador de Pipas.
Ao ler sua resenha, percebi que muitos sentimentos passados por ele nesse livro, também existem em O caçador de pipas, então, se você gostou desse, com certeza gostará do outro <3
Eu não sei, eu acho que me encantei pelas obras do autor pelo fato dele ser todo… poético na hora de escrever! Cheio de verdades, analogias… Sentimento! Coisas que me fazem babar! Com certeza preciso ler O Silêncio das Montanhas e adorei o seu comentário sobre <3
Beijos, Mayara
http://recordandopalavras.blogspot.com

Responder

Gladys Sena - 12 novembro 2013 às 22:08

É a primeira resenha que leio dessa trama.
A premissa é bem interessante.

http://meuhobbyliterario.blogspot.com.br/

Responder

gabriele - 12 novembro 2013 às 22:29

Aiiin *–*
Amei tanto tua resenha que adoraria ter o livro aqui pertinho de mim para começar a ler imediatamente.
Eu não li O caçador de pipas, mas é muito elogiado e tenho vontade de conhecer a escrita do Khaled.
Parabéns pela resenha guria.
http://www.viciodiario.com/

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por