Ouro por Chris Cleave - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
fevereiro 13, 2014 Falando de Resenhas

Ouro por Chris Cleave


Ouro

Título: Ouro
Autor: Chris Cleave
Editora: Intrínseca
Skoob: Adicione!
Compre o livro: SUBMARINO | SARAIVA* | CULTURA
Classificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

O que você sacrificaria por aqueles que ama? Kate e Zoe se conheceram aos 19 anos, nas eliminatórias de um programa para jovens talentos do ciclismo de elite — um esporte que exige foco e comprometimento. Amigas e também grandes rivais, Kate e Zoe são atletas no topo do ranking, lutando para vencer a competição mais importante do mundo. Com vidas marcadas pela tragédia, cada uma delas tem muito a perder, e as duas se veem diante do desafio de optar entre a família e a glória no esporte.

Nunca havia lido nada do autor Chris Cleave, visto que já tínhamos lançado aqui no Brasil Pequena Abelha, e fiquei encantada com a forma que o autor narra sua história e o final emocionante e tocante que oferece ao leitor.

Conhecemos três pessoas totalmente diferentes, mas que têm um objetivo comum: ser um ciclista profissional. Jack, Kate e Zoe tinham mais ou menos 19 anos quando entraram no Programa de Potenciais de Elite, na Grã-Bretanha, para conquistar uma vaga e competir profissionalmente. Dentre diversos jovens, os três conseguiram, passariam a partir dali por competições nacionais, internacionais e, principalmente, Olimpíadas. Tudo seria incrivelmente fácil e, confesso, bobo se fosse apenas isso a história, mas temos muito mais. Preciso dizer que a competição entre Kate e Zoe vai muito além das pistas e alguns anos depois do Programa ser iniciado, elas competiriam novamente, agora as leis olímpicas permitiam apenas um competidor por país, assim elas precisariam decidir quem seria a competidora para vencer o Ouro.

Além desses três seres extremamente complexos, conhecemos Sophie, uma menina de apenas 11 anos que é apaixonada por Star Wars e está passando por algo muito delicado: um câncer. Kate e Jack tentam, de todos os jeitos, encontrar um meio de curá-la para que tenha uma vida normal novamente, mas aparentemente a menina está cada dia mais fraca e a quimio não está funcionado.

Como disse no início da resenha, fiquei apaixonada pelo autor. Chris tem uma forma única de narrar uma história usando algo diferente, o ciclismo, como uma metáfora para a vida real, além das pistas. Em alguns momentos da história estamos no presente, outros voltamos ao passado de cada personagens, voltamos ao âmago de seus problemas, onde tudo começou, seus medos, incertezas e até mesmo paranoias. O que me moveu a ler esse livro tão rápido foi como descobrimos uma novidade sobre cada personagem a cada página virada, o autor não nos entrega nada de bandeja, mas conhecendo pouco a pouco tudo e todos.

Kate deu duas pedaladas firmes, mas hesitou de novo. Pensou em Sophie. De repente sua situação pareceu tão bem-demarcada quanto a faixa de pare na pista. (…)
Quando o sinal ficou amarelo, Zoe percebey a hesitação de Kate e aumentou o ritmo instintivamente. Estava a trinta metros do próprio ponto limite de retorno, mas não era nisso que estava pensando. Pensava em Adam.

O personagens que conhecemos são extremamente complexos. Kate e Zoe possuem uma aura de competição desde quando se conheceram, mas agora não têm 19 anos como antes, mas algo por volta de 32 anos. Kate tem uma filha e um marido que ama muito e tudo isso é correspondido, é uma pessoa bondosa e que quer sempre estar ao lado de sua amiga Zoe, mesmo ela tentando se manter fechada em seu próprio casulo. Apesar da doença da filha se mantém firme e confiante, principalmente com a ajuda de Jack. Já Zoe tem apenas Tom, o treinador, o único homem que a abrigou, que a amou como uma filha, ou algo parecido. Sempre foi difícil para ela conviver com uma dor do passado e correr é a única coisa que a motiva continuar viva, mas e se ela perder a oportunidade de competir pelo ouro? Ambas tiveram perdas irreparáveis na infância e é essa a busca que as motiva, de uma forma ou de outra. Jack conseguiu mudar de vida, não ser um alcoólatra por o pai o obrigou a sair da Escócia e ir para a Grã-Bretanha para tentar ser alguém. Tom, que ser tornou um porto para Zoe, não fala nem com o próprio filho.

Além disso, temos muitos detalhes sobre as corridas, como é a vida de um atleta, as técnicas para ultrapassar a força humana, as dores musculares que sentem ao darem tudo de si nas pistas, alimentação, estrutura óssea e tudo o mais que possa imaginar. Parece ser algo tedioso para alguns, mas para mim funcionou de forma significativa, pois foi mais fácil imaginar cada personagem, o poder e a força que cada um tem.

Esse não é apenas um livro sobre competições, coisas da vida e vontades, na verdade é um livro que fala sobre a vida de uma maneira tão sublime que chega a doer de tão encantada que fiquei. Ouro é aquele tipo de livro que vale a pena deixar para sempre na estante para ser lido, reaprender tudo novamente com os personagens. Será que o ouro é tudo na vida? Alcançá-lo é tudo o que precisamos para sermos felizes? Acredito que ao longo da vida vamos encontrando pequenos momentos que nos faz felizes e vale a pena viver, não precisar ser o ouro propriamente dito, mas tudo o que nos torna feliz é tão radiante quanto, precisamos apenas conhecer o que nos motiva.



Deixe o seu comentário

5 Respostas para "Ouro por Chris Cleave"

Raquel Moritz - 14 fevereiro 2014 às 11:08

Mas olha, essas temáticas ‘esportivas’ (ok que aqui não é o tema, mas o pano de fundo de algo maior) geralmente me deixam incomodada. Já parei uns dois livros que tinham coisas semelhantes pq não consigo me deixar levar pela história.

Gostei das perguntas que ele levanta, sabe. Realmente, ouro nem sempre é tudo. Tem coisas mais importantes pra gente ponderar, mas existem pessoas que demoram pra aprender isso.

Linda resenha, Thaís, que bom que você se apaixonou pelo livro, é ótimo quando isso acontece, né? ♥

Beijinho!

Responder

Natii - 14 fevereiro 2014 às 12:01

Oie, Thaís.

aaaaaah, preciso ler esse livro. Acabei de lembrar que o comprei faz uns três meses e ainda não li. Sou paixonada pela escrito do Chris desde que li Pequena Abelha e comprei esse sem nem saber do que se tratava. Ainda não sei, porque prefiro não ler nada sobre para não estragar um pedacinho do livro. Por isso não li sua resenha, mas volto aqui após ler o livro.

Bj.

Responder

Mariana - 14 fevereiro 2014 às 12:23

Eu lendo a resenha e me lembro de um post que acho que foi a Clara (Capitu já leu?)que fez mostrando a foto desse livro que ela encontrou no sebo. Detalhe: o livro era de parceria e algum blogueiro vendeu pra lá. kkkk Morri de rir na época.

Responder

Arione - 16 fevereiro 2014 às 18:30

Oi Taís querida!!
Ótima resenha, muito bem escrita!
Lhe desejo uma semana excelente, beijos!!

Responder

Ellen - 21 fevereiro 2014 às 21:19

Olá!
Já tinha ouvido falar de “Pequena Abelha” mas se você não tivesse falado eu provavelmente não teria percebido que “Ouro” é do mesmo autor.
Gosto bastante dessa estrutura “presente e passado” que alguns livros têm, acho realmente interessante.
Acho que nunca li nada que entre no quesito “com esportes”, mas adoraria ler “Ouro”.
Beijos:*

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por