Persépolis | Marjane Satrapi - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
julho 28, 2013 Falando de Resenhas

Persépolis | Marjane Satrapi


Persépolis

Título: Persépolis
Autor: Marjane Satrapi
Editora: Companhia das Letras
Skoob: Adicione!
Compre o livro: SUBMARINO | CULTURA | SARAIVA
Classificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita – apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa. Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares. Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama – e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.

Para criar uma impressão final de Persépolis, tive que reler uma vez mais. Não é um quadrinho complicado, mas é marcante em diferentes aspectos.

Persépolis é uma autobiografia da própria Marjane que conta uma história, no final das contas, simples, narrada de uma forma ainda mais simples. A juventude de Marji tem como pano de fundo guerras, medos e tristezas. Quando criança, tinha objetivos simples: depilar as pernas e ser a última profetiza, entretanto, os problemas que seu país enfrenta a faz mudar sua perspectiva da vida.

Marji pertence à uma família moderna, com pais liberais e uma avó que também é a favor do governo anterior, que está ao lado do comunismo. Tentam lutar por aquilo que acreditam, mas a repressão, que vai atrás de todos que estão contra o poder político atual, é maior e fica cada vez mais difícil disseminar as ideias, principalmente quando pessoas são presas, executadas e até mesmo torturadas. E é a partir de 1980, com apenas dez anos de idade, depois da Revolução Iraniana, quando todas as mulheres são obrigadas a usar véu, que a menina vê maiores mudanças. Com uma cultura imposta, em que a própria Marji não compreende o motivo de muita coisa acontecer.

Com apenas 12 anos vê seus amigos e conhecidos tomando dois caminhos: ou morrem ou fogem. E é assim, que com apenas 14 anos que se vê sozinha na Áustria, sem seus pais ou nenhum outro conhecido. Sua ida para um outro país tinha objetivos muito compreensíveis, os quais eram proteger-se dos ataques cada vez mais constantes e tentar ser verdadeiramente uma mulher livre.

Persépolis - Marjane Satrapi

A autora retrata tudo com muita veracidade e franqueza. Seus pais, apesar de terem um pensamento mais evoluído para a cultura e o momento em que viviam, não são retratados como seres perfeitos, têm – claro! – seus defeitos. Com tudo isso, devo confessar que essa foi uma autobiografia muito feliz, desde como foi construída até a narrativa criada. A avó, a matriarca da família, é quem dá o tom de humor, mas que também dá um norte ainda maior para o posicionamento moral de Marji. Ela que por sua vez é forte e determinada, não é de uma modo geral uma simples heroína e é aí que o que senti ultrapassa as barreiras do que as palavras poderiam definir.

Apesar do traço grosso e da despreocupação com os detalhes, Marjane consegue passar muita coisa daquilo que seu país e ela mesma passaram através dos tons de preto e cinza. Acompanhamos, além da história da própria autora, como realmente é a vida de quem estava inserido num país em guerra; vemos como ações que poderiam ser vistas de uma forma positiva, tornam-se apenas ideologia por serem utilizadas e rotuladas de forma errônea, tendo o véu como exemplo; conhecemos um pouco da cultura e costumes, mas a parte mais importante é a visão de uma pessoa que não concorda com o governo imposto, mas tem que conviver com isso e, infelizmente, se curvar. E vemos principalmente a situação de um imigrante num lugar totalmente desconhecido e sua incessante busca pela autoaceitação, um ser sem identidade própria num país estranho.

Se você é fã de quadrinhos e História, Persépolis é, sem dúvidas, uma ótima pedida. Marjane nos mostra sua trajetória e dilemas de uma forma ímpar. Mas se ainda assim você não estiver convencido da beleza que essa história traz, vale a pena conferir a animação feita baseada na obra de Satrapi. Veja o trailer:



Deixe o seu comentário

3 Respostas para "Persépolis | Marjane Satrapi"

Mareska - 29 julho 2013 às 11:42

Morro de vontade de ler, tô só esperando uma amiga minha trazer pra mim!

Responder

Luuh Marcely - 29 julho 2013 às 11:49

Eu tenho vontade de ler esse livro faz um tempinho já, mas tenho uma pilha enoooorme de livros na frente! D: UIASUIASHAIUHIAUS ~sofrendo~
Enfim. Não sei se você gosta de tags, mas… Fui atrevida e te indiquei um. Hahaha!
É Marido Literário, já viu ele? Bem… Aqui o link: http://www.november92.com/post/56784585697/tag-marido-literario

Beijos <3

Responder

Melissa Padilha - 02 agosto 2013 às 16:36

Poxa leitura de quadrinhos é uma coisa que ainda fico devendo feio! Quase não tenho nada em casa, e também não tenho costume de ler. Jpa vi muitos elogios a Persepólis e está na lista de querências.
bjos
Melissa Padilha
De Coisas por Aí

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por