Resenha: Estilhaça-me | Tahereh Mafi - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
julho 04, 2012 Falando de Novo Conceito // Resenha

Resenha: Estilhaça-me | Tahereh Mafi


.

Título: Estilhaça-meAutor: Tahereh MafiEditora: Novo ConceitoSkoob: Adicione!Compare preços: Saraiva | Fnac | TravessaClassificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Juliette não toca alguém a exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma célula. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser um guerreiro.

Estilhaça-me é o primeiro da trilogia da autora Tahereh, onde os próximos títulos serão Destroy Me, um conto que acontece entre o primeiro e o segundo livro, narrado por Warner, e Unravel Me. Ambos serão publicados pela Novo Conceito também. O livro traz um enredo com uma dosagem certa de romance e suspense.
No primeiro livro da série, narrado em primeira pessoa, conhecemos Juliette, uma menina de 17 anos que aos 14 foi abandonada e trancafiada em um manicômio, com apenas um caderno e uma caneta, porque todos achavam que ela era uma aberração, um monstro por ter matado uma criança sem querer ao tocá-la, ao tentar ajudá-la. O toque de Juliette é completamente letal.

Do lado de fora de sua cela há um mundo devastado, destruído pela ganância do próprio homem, sem animais, comida, água ou até mesmo estações do ano bem definidas. As pessoas apenas sobrevivem com aquilo que restou de mundo. E é aí onde O Restabelecimento começa a reinar, através de uma política construída com o medo, onde sua real missão é construir uma nova geração constituída por indivíduos saudáveis, expurgando os problemáticos e os velhos, onde a história que existia e todo o tipo de cultura deveria ser extinta. Sem religião, sem crenças, muito menos convicções pessoais. E este mesmo Restabelecimento dizia que restabeleceria a igualdade, a humanidade, mas fizeram e estavam fazendo completamente o contrário.

Sem mais línguas estúpidas e histórias estúpidas e quadros estúpidos colocados sobre a lareira. Sem mais Natal, sem mais Hanukkah, sem mais Ramadã e Diwali. Não falar sobre religião, crença, convicções pessoais. As convicções pessoais foram o que quase nos matou, era o que eles diziam.”

Estilhaça-me é mais uma distopia gostosa e curiosa de se ler. A autora consegue descrever cenas de uma forma sublime, e devo arriscar até em dizer que algumas de suas descrições e metáforas equiparam-se com as de Clarice Lispector, principalmente nos momentos de devaneios de Juliette.

Além disso vi diversas pessoas o comparando o livro com X-Men, ou até chamando-o de X-Men. Achei interessante isso, porque se eu fosse comparar Juliette com um dos personagens do desenho revistinha, a compararia com a Vampira. Essa comparação é legal também para chamar atenção de novos leitores, tanto meninos quanto meninas.

Vocês devem estar achando curioso estranho estar usando esse risco nas palavras, mas não estranhem, Tahereh usa exatamente desta artimanha em seu livro para expressar o que a protagonista estava pensando ou querendo dizer. Achei diferente… na verdade, achei muito curioso, porque mostrou exatamente tudo o que Juliette estava sentindo ou pensando em determinado momento. E é por isso que achei este livro o mais completo que já li em relação ao sentimento do personagem principal. Além das palavras tachadas, ela usa a repetição de algumas palavras com propósito parecido.

Adorei o livro e gostei muito de ver o crescimento da nossa protagonista, principalmente ao que diz respeito ao lado emocional dela. Sem contar que o final do livro é surpreendente e cria uma ponte estável para o segundo livro da série.


Deixe o seu comentário

6 Respostas para "Resenha: Estilhaça-me | Tahereh Mafi"

Emmy - 05 julho 2012 às 18:14

Oi!
já li varias resenhas sobre esse livro, mas a sua foi a que me deu mais vontade de ler, se der tudo certo irei comprar esse livro essa semana mesmo 🙂
adorei a resenha.
beijos chuchu!

Responder

Cherr - 06 julho 2012 às 15:08

Eu já vi várias resenhas desse livro, parece ser realmente bom, pena que não tenho muito tempo pra ler. http://cherremcrise.blogspot.com.br/

Responder

Emmy - 06 julho 2012 às 17:22

Oi de novo Thaís 🙂
só estou passando para avisar que indiquei você para um meme lá no meu blog.
beijos!

Responder

Leh (: - 06 julho 2012 às 21:13

Adorei o post! Seguindo aqui,o blog é lindo
Gostaria que você visitasse meu cantinho também,te espero lá viu?
Beijinhos
http://garota-amargurada.blogspot.com

Responder

Kelly Oliveira - 07 julho 2012 às 11:23

nossa geralmente não é meu estilo preferido de livro mas confesso que achei a sinopse encantadora e fiquei intrigada! imagina o toque de uma pessoa ser fatal! seguindo!
http://kelly-club.blogspot.com.br/

Responder

Gisela M. Bortoloso - 08 julho 2012 às 12:10

Muitas pessoas estão gostando do livro, eu particularmente ainda não li e também não vou ler até a série estiver completa. Acho que iria gostar devido a comparação com X-men.
um abraço
Gisela – Ler para Divertir

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por