Resenha: Homem-Máquina | Max Barry - Pronome Interrogativo • Blog e Canal •
outubro 10, 2012 Falando de Editora Intrínseca // Resenha

Resenha: Homem-Máquina | Max Barry


Título: Homem-MáquinaAutor: Max BarryEditora: IntrínsecaSkoob: Adicione!Compre o livro: Clique aquiClassificação: EstrelasEstrelasEstrelasEstrelasEstrelas

Charles Neumann é engenheiro e trabalha em um sofisticado laboratório de pesquisas. Ele não tem amigos ou qualquer tipo de habilidade social, mas ama máquinas e tecnologia. Por isso, quando perde uma das pernas em um acidente de trabalho, Charlie não encara a situação como uma tragédia, mas como uma oportunidade. Ele sempre achou que o frágil corpo humano poderia ser aperfeiçoado, e então decide colocar em prática algumas ideias. E começa a construir partes. Partes mecânicas. Partes melhores. A especialista em próteses Lola Shanks é apaixonada por membros e órgãos artificiais. Quando conhece Charlie, ela fica fascinada por ter encontrado um homem que parece capaz de produzir um corpo totalmente mecânico. Mas as outras pessoas acham que ele é um louco. Ou um produto. Ou uma arma. Em uma sátira sobre como a sociedade se tornou tão dependente da tecnologia, Homem-Máquina narra a estranha e divertida jornada de um homem em busca de aprimoramento.

Homem-Máquina, publicado pela editora Intrínseca, traz a história do engenheiro/cientista, que trabalha na empresa Futuro Melhor, Charles Neumann. Charlie é um homem completamente vidrado e aficionado por tecnologia, mas sua vida começa a mudar justamente quando acorda e não consegue localizar seu celular. Coisas que acreditamos serem simples, como escolher qual roupa vestir ou qual caminho escolher para chegar até o trabalho, para ele era algo que deveria ser pesquisado e para isso, utilizava seu celular, até o computador que possuía era algo irritante, por demorar “muito” para inicializar. Charlie se concentra para lembrar onde seu aparelho estaria, então lembra-se que, definitavamente, estaria no laboratório em que trabalhara até tarde na noite anterior. Ao chegar, procurou por todos os lados e mesmo assim não o encontrou, decidiu então começar a fazer alguns testes. Mas o que ele não contava era ver que os grampos que utilizava, os quais aparentemente eram inofensivos, poderia fazer com que ele perdesse uma perna.

O doutor Neumann é devidamente encaminhado para o hospital e recebe o melhor tratamento que poderiam lhe oferecer. Mesmo assim, fica triste por não ter muito o que fazer e por sentir-se um inútil por não ter um de seus membros. Para suprir a falta deste membro, surge Lola Shanks, especialista em prótese, e consegue a melhor perna que existia no mercado para que Charlie a utilizasse. Ao estar devidamente treinado de como utilizar seu novo membro, recebe alta, mas acaba percebendo que sua prótese pode e deveria sofrer melhorias, ou melhor, Charles Neumann poderia fazer um upgrade no membro que lhe faltava… ou até mesmo nos membros que poderiam ser aperfeiçoados.

– Você colocou um motor em uma perna?- Sim. Não. Um motor não. Vários. São necessários múltiplos motores para fazer uma articulação redundante dos dedos. – Eu estava nervoso. Não havia mostrado a perna a ninguém. Não completa. Eu havia escondido até mesmo dos meus assistentes de laboratório. – É experimental. Ainda preciso fazer muita coisa. Mas quero uma opinião. Como profissional.

A Futuro Melhor, através da amputação da perna de Charlie e seu ideal em aperfeiçoá-la e melhorá-la, acaba vendo uma oportunidade de lucrar na área da saúde. Mas ele queria apenas melhorar o membro que perdera e seu objetivo era criar uma parte melhor para si mesmo. Será que seria tão fácil e simples assim?

Homem-Máquina é um livro genial do começo ao fim. Charles Neumann, nosso protagonista, como disse anteriormente, é uma pessoa completamente conectada e não consegue se ver sem tecnologia. Acredito que a maioria de nós estamos na mesma situação: não conseguimos viver sem um dispositivo que acesse a internet, e-mails e mantenha contato com o mundo virtual, não é mesmo? Max Barry conseguiu, de maneira esplendorosa, criar um ambiente atual, onde é possível acreditar que as máquinas são e sempre serão superiores aos seres biológicos, e de certa forma achar que tudo o que foi relatado, pode, num futuro não muito distante, tornar-se real. Um dos maiores pontos positivos é que a história é em primeira pessoa e podemos saber o que se passa na cabeça do nosso protagonista o tempo inteiro, sem censura ou papas na língua.

Os personagens criados são bastante estereotipados. Barry, ao meu ver, fez uma bela crítica social através do seu eu-lírico, através de Charles Neumann. Pontos onde o capitalismo passa por cima da ética para alcançar uma vontade que irá beneficiar determinada empresa ou até mesmo em relação às pessoas que trabalham como engenheiros, as quais, em sua grande maioria, são feias e desajeitadas. Me identifiquei bastante com Cassandra Cautery, principalmente pelas frases que ela soltavam quando tinham uma conversa franca com Charlie.

“Cassandra, você é diligente, esperta, motivada e esforçada, mas precisa aprender a aceitar menos que a perfeição”

De forma geral, o que mais me chamou atenção é o quão nosso protagonista é humano, mas da forma peculiar dele. Toda a narrativa possui um pouco de humor negro e compaixão. Este último poderá ser observado através da relação entre Charlie e Lola, uma relação bem peculiar.

Caso você se identifique com os filmes “Eu, robô” e “Iron Man” e curta bastante os trejeitos de Sheldon Cooper, não tenho dúvidas, você vai amar este livro.



Deixe o seu comentário

18 Respostas para "Resenha: Homem-Máquina | Max Barry"

Natália Alves - 11 outubro 2012 às 11:15

Adorei a resenha e quero muito, muito ler esse livro. O enredo é super interessante e a sua última frase é o que me convenceu completamente. Sou super fã de Iron Man, adoro Eu, robô e só pra ajudar mais pouquinho AMO o Sheldon <3 haha'

Espero gostar do livro tanto quando você gostou (:

Beijão;*
Naty.

Responder

HONORATO, Sandro - 11 outubro 2012 às 12:47

Boa tarde 🙂
Como vai?
Eu não conhecia este livro :O
Mas gostei muito da resenha *-*
Principalmente agora no finalzinho que você citou Sheldon Cooper…quem não gosta dele? kkkkk
Beijos

Rimas Do Preto

Responder

Eduarda Menezes - 11 outubro 2012 às 12:59

Oi Thaís!
Achei a história do livro bem diferente. Já tinha visto a capa mas confesso que não fazia nem ideia do que se tratava. A gente pode achar estranho assim de cara, mas o pior é que talvez não estejamos tão longe de um futuro onde as máquinas irão imperar absolutas. Afinal de contas, a tecnologia já domina boa parte das nossas ações. Imagino que essa tenha sido a mensagem e aviso que o autor quis passar – pelo menos até onde pude captar rs Não é uma leitura que faria no momento, mas que descartaria para o futuro.
Beijos!

Responder

Eduarda Menezes - 11 outubro 2012 às 13:00

Corrigindo: *mas que NÃO descartaria para o futuro haha

Responder

Alice Aguiar - 11 outubro 2012 às 16:56

a historia é bem diferente, mas nao é o tipo de leitura q eu gosto
quem sabe eu leia um dia né, mas nao posso garantir muito.

Responder

Mari Patrício - 11 outubro 2012 às 20:20

Falou em ficção científica eu to dentro!
Adorei a resenha, me deu muita curosidade pra ler o livro. :3

Beijo, Mari.
http://www.papersblood.com/

Responder

Karina (Candy) - 11 outubro 2012 às 21:18

Oi, obrigada pela visitinha que fez ao meu blog. Adorei o seu espaço *–* Volte quando quiser!

http://ataldacandy.blogspot.com.br/

Responder

Thalita Plantier ♥ - 11 outubro 2012 às 22:44

oláá
adoreei o seu blog
também estou seguindo
adorei a resenha mas tenho tendência a ler livros mais romanticos hahaha
mas adorei quem sabe um dia =)))

beijones

http://www.anywaybtfashion.blogspot.com.br

Responder

Cassie O'Malley - 12 outubro 2012 às 08:18

Olá Thais, tudo bem?
Fiquei muito feliz com a sua visitinha em meu blog, que bom que você gostou de lá, seja muito bem vinda!!!
Gostei muito do seu blog.. Finalmente um blog diferente com conteúdo!! rs
No meu fiz algumas resenhas de livros que gosto, pretendo fazer mais até para ler mais também. Vi que você gosta do Machado, eu adooooooooooooro ele!
Tem o endereço da sua loja aqui pra gente conhecer?
Ainda não li todos os posts, mas estou super curiosa! Também gosto muito do Nicolas Sparks.
Já estou te seguindo e vou te add na lista dos blogs que mais leio, ok?

Um beijo!

http://pilotandominhavida.blogspot.com.br

Responder

- 12 outubro 2012 às 11:34

Obrigada pela visita la no meu blog,seu blog eh lindo!!Adoro livros!!Beijinhos sua nova seguidora:Fá
MINHA MAE ME ENSINOU

Responder

Joyce Rodrigues - 12 outubro 2012 às 11:36

Oii thais,

Retribuindo sua visita, e seguindo tbm 🙂
Ultimamente não tem me sobrado muito tempo para ler, mas gostei da indicação.

Beijos e bom feriado!

Responder

Nati Carvalho - 12 outubro 2012 às 11:54

Oii Thais, obrigada pela visita, adorei seu blog, seguindo aqui! Beijos e bom feriado!
http://naticarvalho.blogspot.com.br

Responder

Camila - 12 outubro 2012 às 14:37

Muito boa a resenha, esse parece ser um livro ótimo! Adorei seu blog (muito lindo e organizado) e já estou seguindo. Obrigada por passar lá no Sweet Gloss! camilaejustin#.blogspot.com (para entrar tire o #) Beeijos >.<

Responder

Yara Andrade - 12 outubro 2012 às 15:05

Eu tenho muita vontade de ler este livro! HUAHAUS ele parece ser tão legal, eu estou bem ansiosa. Adorei a sua resenha, ficou muito boa.
Beijos.

http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

Responder

The Lazy Girls - 12 outubro 2012 às 18:21

Oi Thaís,
Não conhecia o livro ainda mas, amei a resenha!
Gostei muito do estilo, eu(como o protagonista)tbm não saberia viver sem meu celular ou minha net!KKKKKKKKKKKKK
A dica está mais doq anotada 😉

Tem resenha nova lá no blog, quer ler?
Desde já obrigada!

Fallen In Me
– PatyScarcella

Responder

Cida - 12 outubro 2012 às 19:08

Eu imaginava algo bem diferente antes de ler a resenha, o nome do livro me passou uma ideia totalmente errada da história.
Achei super legal, e espero ler em breve.

Bjos!!
Cida
Moonlight Books

Responder

Marco Antonio - 14 outubro 2012 às 17:19

Boa tarde Thaís,

Mais um livro que fico conhecendo aqui, achei interessante e sua resenha foi esclarecedora…parabéns….abçs.

http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

Responder

Giulia Bodanese - 30 novembro 2012 às 18:32

O livro é bem diferente que eu estou acostumada a ler mas chamou a minha atenção, eu vivo grudada no meu celular e surto quando fico sem, acho que seria muito interessante para mim ler, Gostei muito da resenha, me deixou bastante curiosa com os outros personagens.
Beijos, Giu

Responder

Instagram

Pronome Interrogativo • Blog e Canal • • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPress • Desenvolvido por